Uma Iniciativa Logo Softplan

Por que usar soluções digitais nos projetos de obras públicas?

4 min. para leitura 05/12/2018

Eficiência no fluxo de atividades, controle de gastos, de processos e ganhos em fiscalização. Estes são os principais objetivos de uma gestão responsável e que zela pela qualidade ao administrar projetos de obras públicas, visando melhorar a infraestrutura da sua cidade.

Vale ressaltar que apesar de as inovações já terem chegado a diversos setores, muitos órgãos e entidades governamentais ainda realizam suas atividades de forma analógica, porém, quando se fala na gestão de projetos de obras públicas, o uso de soluções digitais é imprescindível. A tecnologia, além de uma facilitadora do processo – desde a elaboração dos projetos à entrega e prestação de contas – é uma aliada para o correto investimento dos recursos, evitando gastos desnecessários e até superfaturamentos.

E é justamente sobre isto que falaremos neste artigo. Aqui, vamos abordar alguns dos problemas enfrentados na gestão dos projetos de obras públicas e como as soluções digitais ajudam a solucioná-los, além de oferecer benefícios para toda a equipe – projetistas, orçamentistas e fiscais de obras.

Principais problemas na gestão dos projetos de obras públicas

Integrar e ter fácil acesso aos dados do projeto

Os projetos de obras públicas são a base para o orçamento, que por sua vez será o pilar de uma execução correta da obra em si, sendo assim, é a partir do que é repassado pelo projetista (projetos de arquitetura e de instalações elétricas, hidráulicas, incêndio, ar-condicionado, telefone, etc., nível de qualidade e tipo de serviço, entre outros) que o orçamentista poderá levantar as quantidades de materiais e serviços e seus custos unitários. E é seguindo a planilha orçamentária que o fiscal irá realizar as medições e o cumprimento do contrato.

Portanto, todas as informações estão interligadas e, por isso, devem sempre estar disponíveis para que todos da equipe possam consultá-las, do início do planejamento até a entrega do empreendimento. A partir daí, o problema de uma gestão com processos não digitalizados é que cada profissional tende a ter o seu método de trabalho e sua forma de organizar e armazenar os dados referentes à obra. Se considerarmos que o processo de obra pública é totalmente encadeado, não integrar as informações ou não ter fácil acesso a elas pode interferir em todo o planejamento e andamento do projeto.

Elaborar um orçamento preciso e mantê-lo atualizado

Depois de buscar os dados do projeto para elaborar a planilha de custos da obra, o orçamentista deve consultar referenciais de preços (tabelas SICRO e SINAPI, por exemplo) para identificar os valores unitários de cada item ou serviço. Também deve adotar uma taxa de Benefícios e Despesas Indiretas (BDI) para os serviços de apoio, de maneira que estes custos sejam corretamente mensurados.

Além de precisos para a licitação, estes cálculos ainda devem ser atualizados para o início da obra, pois é bastante comum que haja um grande intervalo de tempo entre a confecção do orçamento inicial e a finalização da contratação da empresa que irá executar o empreendimento.

Assim, são muitas fórmulas, somatórios e critérios de cálculo, e apenas com planilhas eletrônicas fica muito fácil cometer um erro e utilizar uma célula indevida num cálculo ou inserir um valor equivocado, por exemplo. É um risco que não se deve correr em projetos de obras públicas, já que números errados ou com distorções podem demandar aditivos futuros nos contratos de execução ou impedir que sejam cumpridas as especificidades técnicas e financeiras, e os prazos estabelecidos.

Realizar medições e fiscalizar o cumprimento do contrato com exatidão

As medições, de responsabilidade do fiscal, são o instrumento usado para acompanhar o andamento de cada etapa da obra, pois retratam a evolução do trabalho desenvolvido pelas empreiteiras. É com base nelas que serão feitas aplicações de multas, solicitações de aditivos de prazo e valor. Com isso, será determinado o pagamento das parcelas, já que a remuneração está condicionada à execução da obra.

Por isso, o fiscal deve manter os registros sempre atualizados e sem equívocos. Se o profissional puder fazê-los diretamente do canteiro de trabalho, em tempo real, integrando estas informações a um repositório geral do projeto, vai garantir uma maior fidelidade em relação ao estado atual da construção. E, por consequência, terá mais eficiência à gestão do projeto de obra pública. No entanto, isso só é possível com o uso de soluções digitais, conforme veremos a seguir.

Como as soluções digitais ajudam a superá-los?

Ao adotar um sistema digitalizado e automatizado (softwares específicos para a atividade), toda a equipe terá uma visão global do andamento dos projetos de obras públicas, em todos os aspectos do processo. Sendo assim, este tipo de solução ajuda a:

  • Validar a composição de custos;
  • Reportar, em tempo real, as métricas e os resultados;
  • Atualizar os dados financeiros conforme o andamento das etapas;
  • Fazer pagamentos conforme as medições;
  • Organizar, guardar e compartilhar dados e documentos importantes.

Como a ferramenta também oferece atualizações periódicas, buscando dados e realizando cálculos de forma automatizada, há muito mais eficiência no trabalho da equipe e precisão no controle de gastos. Outro ponto é que um software de gestão de projetos de obras públicas também pode ser alinhado à metodologia BIM, que traz uma representação digital tridimensional das características físicas e funcionais de uma construção em todas as suas fases – inclusive alguns estados, como Santa Catarina, já começam a condicionar suas licitações ao uso do BIM.

Na prática, sistemas digitais como o BIM criam um modelo digital da edificação por meio de um processo integrado, que permite registrar e controlar cada passo ao longo da obra. Assim, qualquer alteração no projeto ou desvio quantitativo pode ser rapidamente detectado. Deste modo, é possível identificar e corrigir falhas antes da fase de execução, o que contribui para reduzir o custo total da obra.

Como vimos, a transição tecnológica e a mudança para uma gestão mais eficiente, dá mais qualidade desde a fase de projeto, passando pela análise de composição, ajuste de preços de insumos e também na etapa de execução da obra.

Saiba mais sobre como fazer uma gestão de projetos de obras públicas mais eficiente baixando este eBook gratuito produzido pelo E-Gestão Pública. Se tiver dúvidas ou sugestões, deixe um comentário ou fale com os nossos especialistas.