Uma Iniciativa Logo Softplan

Projetos de desenvolvimento: é possível se manter dentro do planejado?

3 min. para leitura 24/09/2018

Segundo o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), somente 51% dos projetos de desenvolvimento que buscam financiamento externo, tanto do setor público quanto do privado, terminam dentro do tempo planejado. Isso significa que quase metade deles só são finalizados depois do prazo previsto. Os dados do BID também apontam que 43% dos projetos provavelmente não alcançaram o resultado pretendido inicialmente ou recorreram a recursos adicionais para a sua finalização.

Esses números refletem os obstáculos enfrentados por gestores quando precisam organizar este tipo de projeto: dificuldade no planejamento, burocracia, variação cambial, demora na aprovação do programa ou de políticas públicas. E os mais prejudicados com este somatório de problemas são os cidadãos que esperam para poder usufruir das melhorias proporcionadas pela conclusão do projeto, pois em sua maioria eles são empreendimentos importantes para a sociedade: uma nova escola no bairro, equipamentos para hospitais, aumento da oferta de empregos para uma minoria negligenciada, melhora no fornecimento de energia, saneamento para a população, etc.

Mas as dificuldades de executar o projeto dentro de um orçamento, tempo e escopo definidos podem ser mitigadas. No artigo vamos apresentar algumas maneiras de melhorar o planejamento e a organização na elaboração e execução de projetos de desenvolvimento cofinanciados.

Capacitação e boa gestão são essenciais para o sucesso dos projetos de desenvolvimento

Para ter sucesso em projetos de desenvolvimento que contam com o aporte de recursos de organismos internacionais, o primeiro passo é buscar orientação e capacitação. Isso porque, a possibilidade de obtenção de financiamento é sempre uma consequência da forma como o projeto é concebido e entregue para avaliação da instituição parceira e também do Governo Federal (que atua como uma espécie de avalista e dá garantias para o empréstimo).

As instituições financiadoras podem ser grandes facilitadores nesse processo, ajudando na capacitação da Unidade de Gerenciamento de Projetos (UGP) das Secretarias Municipais ou Estaduais. O BID, por exemplo, oferece cursos gratuitos, como o Gerenciamento de Projetos de Desenvolvimento (PM4R), que aborda conceitos básicos da gestão dos projetos de desenvolvimento, seu ciclo de vida, suas características únicas e a importância das ferramentas de planejamento. O banco também conta com o Portal do Executor, que contêm diversos materiais para aprendizagem, como a Gestão Financeira e de Aquisições.

Ferramentas de gerenciamento

As ferramentas de gerenciamento de projetos são essenciais para apoiar o gestor na execução e monitoramento de um programa cofinanciado e assim alcançar os resultados pretendidos. Entre as principais podemos destacar: Matriz de Resultado; acompanhamento dos indicadores SMART – (Specific, Measurable, Achievable, Realistic, Timely) com objetivos claros, mensuráveis, atingíveis, realistas e com data de conclusão; acompanhamento da Curva S, de utilização de recursos para demonstrar o andamento do projeto; e repasse das informações para as partes interessadas.

Utilizar estas ferramentas de forma integrada ajuda a UGP a manter a execução do programa em dia, administrando as finanças, cumprindo o cronograma e prestando contas com eficiência junto ao banco e auditorias. Esta integração é possibilitada por sistemas automatizados de gestão, específicos para de projetos cofinanciados.

Ao contar com este tipo de solução, é possível monitorar com precisão as etapas do projeto, para assim definir, em tempo hábil, ações compensatórias e cumprir o escopo dentro do tempo e prazo definidos. Imagine por exemplo, solicitar um financiamento externo com o dólar a R$ 3,18, mas só começar a executá-lo com a moeda valendo R$ 4,00, em uma variação superior a 28%. O produto (entregável) planejado anteriormente apontará uma sobra de recursos financeiros, mas que na realidade não acontecerá. Nesse caso é importante que o gestor tome ciência do fato para poder redirecionar os investimentos para outros produtos.

As ferramentas automatizadas para gestão de projeto cofinanciados permitem, portanto, que a UGP se mantenha alinhada a todas as especificidades de um financiamento internacional, inclusive a essa questão importante da conversão cambial.

Assim, a busca por mais conhecimento e o investimento em tecnologia são fundamentais e benéficos para o sucesso de um projeto de desenvolvimento. Pelo impacto positivo que gera à sociedade, não se deve medir esforços para executá-los de forma eficiente e eficaz. Como gestor público, conheça sobre o assunto, aprenda novas técnicas e execute com confiança.

Saiba mais sobre o assunto lendo o Guia para projetos com financiamento externo: o que é preciso saber para começar a captar investimentos e gerenciar o processo. Se tiver dúvidas, entre em contato com nossos especialistas em Gestão Pública Eficiente.