Uma Iniciativa Logo Softplan

Como funciona a sustentabilidade dos projeto das cidades digitais

2 min. para leitura 24/06/2016

Na série sobre cidades digitais apresentamos vários projetos que têm levado internet gratuita para diversos espaços urbanos brasileiros:  câmeras inteligentes, rede wireless em ônibus e terminais de integração, entre outros. Mas o que garante a continuidade desses projetos ao longo dos anos? A sustentabilidade nas cidades digitais está ligada à parceria que os municípios fazem com os Governos Federal e Estadual, universidades e entidades da sociedade civil. No post de hoje, vamos apresentar algumas ideias de cooperação que os responsáveis pelos projetos podem buscar para permitir a sustentabilidades nas cidades digitais.

5 parceiros que podem ser buscados para manter os projetos das cidades digitais

Formação de consórcios público- o consórcio público permite que órgãos da federação assumam personalidade jurídica de direito público e direito privado com a finalidade de gerenciar alguns serviços públicos. Dessa forma, pode ser criada uma associação pública de natureza autárquica   para o consórcio de direito público – e uma entidade sem fins lucrativos  – para o consórcio de direito privado.

Parceria com empresas públicas – o município pode buscar parceria com empresas públicas  com o objetivo de garantir a sustentabilidade dos projetos desenvolvidas nas cidades digitais. Esses acordos podem garantir a manutenção da rede de internet. O município pode oferecer em troca, por exemplo, espaço para publicidade nos lugares onde a internet gratuita for disponibilizada para manutenção.

Concessão da infraestrutura: As empresas que oferecem serviços de internet podem manter parcerias com os responsáveis pelos projetos das cidades digitais. Nesse acordo, a gestão do município oferece a infraestrutura das cidades digitais para exploração comercial da rede em troca de recurso financeiro ou operação técnica por parte dos provedores. É importante ressaltar, no entanto, que a exploração comercial da infraestrutura não deve atrapalhar o bom funcionamento da internet disponibilizada gratuitamente para a população.

Parceria com universidades – a parceria entre universidades e municípios que contemplam projetos de cidades digitais trazem muitos benefícios para população, já que as instituições de ensino contam com recursos humanos que podem criar soluções inovadoras para simplificar a vida das pessoas. Um exemplo dessa parceria ocorreu entre  a gestão do município de Campinas (SP) e a Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). O Laboratório de Redes de Comunicação da Unicamp (LaRCom) desenhou redes metropolitanas que deram origem a Infovias, que além de permitir que os órgãos se comuniquem um com os outros sem custo, ainda possibilita que a população tenha acesso gratuito à internet banda larga.

Parceria com empresas de hardwares

Quando as cidades digitais disponibilizam acesso à internet gratuito fazem com que aumente a procura por computadores, placas de rede e modems. Os gestores podem firmar parcerias com os fornecedores desses produtos para que os moradores consigam adquirir esses produtos com preços mais acessíveis.

Você conhece outra parceria que a gestão pode fazer para manter a sustentabilidades dos projetos das cidades digitais? Divida conosco nos comentários!