Uma Iniciativa Logo Softplan

Aplicação de analytics para redução de perdas de água no sistema de abastecimento

4 min. para leitura 11/06/2018

As companhias de água e esgoto lidam com problemas de perdas de água no sistema de abastecimento durante todo o fluxo de distribuição, desde os reservatórios de tratamento até as residências dos consumidores. De acordo com um estudo do Instituto Trata Brasil sobre perdas de água no nosso território, realizado a partir dos dados do Sistema Nacional de Informações sobre saneamento (SNIS), o índice nacional de perda de água na distribuição é de quase 40%. O estudo aponta, ainda, que este índice é comum tanto em cidades de pequeno porte quanto em cidades de grande porte, proveniente de perdas técnicas e não técnicas. As perdas técnicas são causadas pelos vazamentos existentes na própria rede ou nas residências, gerados sobretudo pelo rompimento de tubulações. As perdas não técnicas, por sua vez, são provenientes de irregularidades encontradas nas unidades consumidoras, como intervenções no hidrômetro ou ligações clandestinas realizadas diretamente na rede de abastecimento.

Como combater as perdas de água no sistema de abastecimento?

A maioria das companhias atua com base nas informações fornecidas pelos seus consumidores, seja quando informam vazamentos existentes na rede ou quando denunciam possíveis irregularidades em residências de terceiros. Existem companhias, por outro lado, que monitoram a tendência de consumo dos seus clientes e agem proativamente quando identificam um comportamento incomum. Contudo somente uma minoria adota tecnologia de ponta para monitorar a sua rede. As suspeitas de irregularidade geralmente são priorizadas de acordo com critérios próprios da companhia e, no momento da execução, equipes de campo são deslocadas para avaliar e corrigir o problema. Quando uma fraude ou uma irregularidade é verificada, o consumidor é notificado e deve pagar uma multa e o consumo retroativo aos meses em que utilizou a água de maneira indevida, além de arcar com os custos de um novo hidrômetro. E, em casos extremos, ele pode até responder por crime de furto.

Quais as dificuldades para realizar o trabalho?

A etapa mais complexa em todo o processo de perdas de água no sistema de abastecimento é a identificação das perdas, sejam técnicas ou não técnicas. Por exemplo, como saber quando uma tubulação rompe e dá início a um vazamento? Em geral, só é possível quando o vazamento chega à superfície. Agora, se a tarefa é identificar uma irregularidade então, o problema pode ser ainda mais complexo, já que não há evidências claras da ocorrência e uma investigação da equipe de campo é necessária. Fato é que a identificação incorreta de perdas acarreta custos operacionais elevados devido ao deslocamento das equipes técnicas ao local da ocorrência, além do custo indireto gerado pelas perdas que continuam ocorrendo.

Soluções de analytics aplicadas ao problema

As soluções de analytics podem ser empregadas para reduzir as perdas técnicas e as perdas não técnicas por meio de tecnologias de reconhecimento de padrões usando inteligência artificial e big data. Nesse contexto, o uso de dados internos e dados externos é fundamental para criar soluções preditivas com o intuito de melhorar o processo de identificação das perdas e projeção de impacto financeiro. Os dados da companhia, tais como informações de unidades consumidoras, série histórica de consumo, histórico de prestação de serviços e histórico de inspeções são usados para a criação de modelos estatísticos que detectam os padrões de comportamento dos consumidores. Assim, os consumidores que fogem aos padrões de comportamento podem ser considerados suspeitos e devem ser avaliados.

Veja alguns exemplos de casos suspeitos de perdas técnicas:

  • Consumidores que aumentaram o seu consumo abruptamente num curto espaço de tempo podem estar com algum problema de vazamento na residência;
  • Consumidores que sempre possuíram um mesmo comportamento de consumo desde que iniciaram o uso do imóvel (série histórica nunca sofreu alteração considerável), mas que possuem um consumo elevado se comparado a outros consumidores similares a ele, também podem estar com problemas de vazamento;
  • Regiões com vazão de água muito elevada em comparação com outras regiões demograficamente semelhantes podem estar problemas nas tubulações.

Veja alguns exemplos de casos suspeitos de perdas não técnicas:

  • Consumidores que possuem um histórico de consumo abaixo do padrão de consumidores com perfil semelhante podem ser suspeitos de irregularidades;
  • Consumidores que estão ativos na base, mas possuem histórico mínimo de consumo durante um período muito longo também podem ser suspeitos;
  • Consumidores que reduziram o seu consumo abruptamente sem nenhuma mudança aparente podem ser suspeitos de irregularidade.

Obviamente, a inspeção técnica de campo é necessária para averiguar o resultado e o feedback de campo é importante para aperfeiçoar a solução de analytics, mas o uso de técnicas de processamento e análise de grandes volumes de dados é essencial para criar soluções inteligentes capazes de identificar tais perdas. Existem ainda outras abordagens que podem ser utilizadas para monitoramento das redes de distribuição, como por exemplo, coletar informações por meio de sensores localizados ao longo da rede, utilizá-las para monitorar a vazão de água e agir quando há suspeita de problemas nas tubulações. Bom, os benefícios do uso de analytics aplicado ao problema de perdas de água no sistema de abastecimento estão diretamente relacionados com a redução de custos operacionais envolvidos em todas as etapas, com o aumento da eficiência na etapa de identificação e, principalmente, com a redução das perdas técnicas e não técnicas ao longo do tempo, por isso, merecem nossa atenção e investimento. Para saber também sobre como a inteligência artificial ajuda os Municípios na fiscalização do ISS, acesse este conteúdo.