Inovação aberta: o que é e como pode ser implementada no setor público

Inovação aberta: o que é e como pode ser implementada no setor público

inovacao abertaHá quem acredite que a inovação só pode ser implementada na iniciativa privada e em empresas que contam com recursos para investir em Pesquisas & Desenvolvimento. Essa mesma linha de pensamento acredita que o setor público lida diariamente com escassez de tecnologia e recursos humanos e, portanto, não é possível inovar. No entanto, é justamente nesse cenário de limitação financeira e demandas crescentes que as técnicas de inovação aberta também conhecida como open innovation surgem para entregar mais com menos recursos, principalmente na fase de recessão econômica que o país atravessa.

A inovação aberta pode ser conceituada como um processo de inovação colaborativo no qual as organizações promovem suas ideias, processos e pesquisas com objetivo de melhorar a oferta de serviços e aumentar sua eficiência. Assim, as empresas devem compartilhar suas ideias e buscar parcerias com centros de pesquisas, universidades, startups, empresas parceiras entre outros. Colocando de forma mais simples, a inovação aberta estabelece uma ponte entre os recursos internos e externos para fazer com que a inovação aconteça de fato.

Mas, investir em inovação aberta e sair em busca de recursos externos exige que a organização conheça muito bem os seus processos e a habilidade dos seus colaboradores. Além disso, incluir ideias de fora nos projetos da sua organização é mais complexo do que apenas incluir as pessoas no brainstorm. É essencial que os envolvidos foquem em problemas, soluções, necessidades e, acima de tudo, trabalhem juntos. 

Quer conhecer algumas iniciativas que deram certo na Administração Pública? Continue a leitura do artigo!

Benefícios e desafios da Inovação aberta

A inovação aberta pode trazer benefícios para o setor público em relação ao desenvolvimento de novos serviços, aumento da arrecadação, otimização do tempo de atendimento ao cidadão, redução de gastos com Pesquisas & Desenvolvimento e melhorias na eficiência dos serviços. Se você está se perguntando “Como criar um modelo de inovação aberta que dê certo?”, a resposta para essa pergunta é com o “engajamento dos colaboradores”. Que tipo de servidores você quer envolver no projeto? Quais as visões que sua organização e os parceiros têm em comum? É preciso motivar os colaboradores que sempre voltaram a sua carreira para dentro da Administração Pública a trocar ideias e se relacionar com os parceiros externos.

Talvez este seja o grande desafio da inovação aberta, já que muitas vezes os gestores com ideias inovadoras estão sozinhos. Assim, é necessário criar uma confiança com os servidores e motivá-los para que não tenham medo de apostar numa forma diferente de executar seu trabalho.

Iniciativas de inovação aberta que deram certo no setor público

Petrobras e Papeway

A brasileira Papeway é uma das 50 empresas no mundo capaz de fazer inspeção em dutos de óleo e gás. Essa análise evita que o material sofra corrosão e vazamento, evitando assim, desastres ambientais. Isso só é possível porque a Petrobras iniciou, em 1998, uma transferência de tecnologia e ferramentas para o desenvolvimento do Pig Corrosão. Na época era apenas um projeto piloto da Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio) em parceria com o Centro de Pesquisas da Petrobras (Cenpes), mas com o tempo a Papeway aperfeiçoou a solução e ganhou destaque no mercado. Essa parceria é um exemplo bem sucedido de inovação aberta. Para saber mais sobre o projeto, leia o artigo: inovação aberta: onde quer que a inovação esteja.

Boeing e Embraer

Há quase dois anos a americana Boeing e a brasileira Embraer firmaram uma parceria para desenvolver e testar tecnologias ligadas à sustentabilidade em aeronaves. O projeto já inaugurou um centro de pesquisa conjunto, em São José dos Campos, para estudar biocombustíveis em associação com outras universidades e centros de pesquisas brasileiros. Além do laboratório, em 2016, as empresas testaram algumas tecnologias no avião Embraer E170. Entre elas podemos citar: a redução do ruído gerado pela aeronave durante o pouso e o desempenho do combustível produzido a partir da cana-de-açúcar. Para saber mais sobre a parceria, leia o artigo: Boeing e Embraer apresentam ecoDemonstrador.

E você, está pronto para implementar técnicas de inovação aberta em sua organização? Divida sua opinião conosco no formulário abaixo.

Comentar

Seu e-mail não será divulgado. Campos obrigatórios são marcados *